1º Domingo da Quaresma 2021

A Quaresma é um caminho rumo à Páscoa. Nesse itinerário de 40 dias somos chamados à conversão e a progredir na santidade.

O primeiro domingo trata das tentações de Jesus. Ele foi levado pelo Espírito para o deserto, e ficou ali durante quarenta dias. Foi tentado por satanás. Ao contrário do povo de Deus, Ele venceu satanás, sendo fiel e obediente ao Pai. Viveu entre animais selvagens e era servido pelos anjos. Após a prisão de João, retornou à Galileia, pregando o Reino de Deus e chamando à conversão (Mc 1,12-15).

O Senhor nos quer no caminho da santidade, pois pelo Batismo nos tornamos criaturas novas, somos seus filhos (as) e templos do Espírito Santo.

A Quaresma nos convida a um relacionamento mais intenso e profundo com Deus. O Senhor nos ensina a rezar: “Não nos deixeis cair na tentação”. Somos tentados a autossuficiência, a duvidar do amor de Deus, a ignorar a sua presença, a orientar a vida sem a presença do Criador. O remédio é a oração pessoal e comunitária, pois o nosso coração deve estar em sintonia com Aquele que é o sentido de nossa vida, o princípio e o fim de tudo. Só a Ele devemos adorar. Como Jesus, devemos fazer a vontade do Pai, sendo fiel a sua Palavra.

A Quaresma nos convida ao jejum. Somos tentados ao consumismo, avareza, gula, vaidade, desperdício e uso desregrado das coisas. O remédio é a sobriedade, a pureza, a abstinência, a evitar o supérfluo, o respeito à vida, a liberdade, a não se conformar com a mentalidade deste mundo consumista. 

A Quaresma nos chama à caridade fraterna. Somos tentados à inveja, à ira, ao preconceito, intolerância, impaciência, indiferença. O remédio é um relacionamento fraterno, à amizade sincera, paciência, perdão, tolerância, diálogo, unidade e paz.

Jesus nos ensina e nos ajuda a vencer as tentações, deixando-nos guiar pelo Espírito Santo de Deus. Nas dificuldades, nos desertos e crises da vida, o Espírito é a nossa força e a nossa resistência contra o mal. A sua graça é maior e nenhuma tentação poderá nos separar do seu amor. É com essa confiança que devemos celebrar a Quaresma.

“Eis que vou estabelecer minha aliança convosco e com vossa descendência” (Gn 9,9). Quaresma é tempo de renovar a nossa aliança de amor com Deus. Que ele nos mostre o seu caminho e a sua estrada, que sua verdade nos oriente e nos conduza, pois é o Deus de ternura, piedade, compaixão, bondade e misericórdia e salvação, e nos dirige ao bom caminho (Sl 24 (25). Cristo já morreu, “uma vez por todas, por causa dos pecados”, para nos conduzir a Deus (1 Pd 3,18-22).

Ainda estão soando em nossos ouvidos as palavras da quarta-feira de cinzas: “Convertei-vos e crede no Evangelho. São palavras do próprio Senhor. Portanto, o nosso caminho é a conversão interior, a penitência e a abertura ao Evangelho (Mc 1,15).

Cada um poderá refletir no seu coração: o que significa para mim a conversão e acreditar no Evangelho? Também devemos ir ao deserto de nossa existência nessa Quaresma, e com Cristo, vencer as tentações, e seguir esse caminho de santidade, pois se com ele morremos às tentações e ao pecado, “acreditamos que também viveremos com ele”, na Páscoa (Rm 6,8).

Dom Paulo Roberto Beloto, Bispo Diocesano.