12º Domingo do Tempo Comum

Em Mateus 10,26-33, por três vezes Jesus diz aos apóstolos: “Não tenhais medo! Essa insistência revela duas coisas: uma realidade difícil e de resistência no anúncio do Evangelho, e uma condição humana, que é o medo diante do conflito e das crises.

O medo tem sentido, pois faz parte da vida humana. Tem várias causas, podendo nos bloquear e até paralisar, atrapalhando e impedindo uma resposta. Mas também pode ser fonte de aprendizado.

Quando olhamos os personagens bíblicos, notamos que a experiência do medo é constante. São inúmeros os exemplos narrados nas Escrituras: de confusão diante do chamado, desculpas para não assumir, queixas, consciência da fragilidade, pequenez, pobreza, condição de pecado, fuga, pedidos de proteção, sinais e provas da presença de Deus.

O Senhor sempre se apresenta como aquele que está junto, protege, dá apoio, fortalece, incentiva, insiste, cura do medo.

Até para Maria o anjo disse: “Não temas” (Lc 1, 30), antes de assumir a vocação de ser a mãe de Jesus.

Como tirar lições do medo? Aprendendo a se reconciliar com ele e descobrir, apesar das fragilidades, novas perspectivas. O medo nos leva a reconhecer que apenas por nossas forças não poderemos dar nenhuma resposta. Ele nos leva a entregar-nos nas mãos do Senhor, é Ele quem nos conduz.

Não devemos temer a missão, pois fomos redimidos por Jesus Cristo. Deus nos amou tanto que deu o seu Filho único como nosso salvador. A nossa vida está em suas mãos. A resposta é exigente, implica dificuldades, renúncias e desafios, mas o que Jesus pede não supera as possibilidades do ser humano. A fé e a confiança na graça sustentam a vocação e o seguimento de Jesus Cristo. Com Ele, o jugo é suave e o peso é leve (Mt 11,30).

“O Senhor é a força de seu povo, fortaleza e salvação do seu ungido”, assim nos ajuda a rezar a antífona de entrada da Missa deste 12º Domingo de Tempo Comum. A fortaleza é dom do Espírito, é a luz, a coragem e a força que o Senhor nos concede para vivermos a fé e as suas consequências. O Espírito Santo nos reveste de vigor para vencermos as fragilidades e tribulações que normalmente convivem com a natureza humana.

Nas injúrias, perseguições e crises, o profeta Jeremias confessava com confiança: “O Senhor está ao meu lado como forte guerreiro” (Jr 20,10).

A fortaleza não é poder, mas confiança na graça do Senhor e na sua proteção. “Foi de modo bem superior que a graça de Deus, ou seja, o dom gratuito concedido através de um só homem, Jesus Cristo, se derramou em abundância sobre todos” (Rm 5,15).

O Mestre nos garante que vai estar conosco, “até o fim dos tempos” (Mt 28,20). Portanto, não ter medo significa acreditar plenamente no amor de Cristo, não se deixar vencer pelos próprios limites e fraquezas e prosseguir com firmeza na missão. Quando nosso coração está em Deus, perde o medo, contamos com uma força maior.

Dom Paulo Roberto Beloto, Bispo Diocesano.