14° Domingo Comum

Mateus 11,25-30 é o coração deste Evangelho. A oração de Jesus revela a sua intimidade com o Pai. O contexto da cena se dá após a sua censura às cidades da Galileia, por causa do seu orgulho. Há uma oposição entre sábios e entendidos e os pequeninos. Quem são eles?

Os sábios e entendidos são os doutores da Lei, que não conseguem discernir os desígnios de Deus, pois não seguem a sua vontade. São cegos e guia de cegos, insensatos. Sábios e entendidos são todos aqueles que vivem assim.

Os pequeninos são os que compreendem e aceitam Jesus e suas promessas. Veem em Jesus a esperança e a vida, acolhem a vontade de Deus.

A cena revela a pessoa de Jesus: Ele é o Filho de Deus, a sabedoria que conhece e leva ao Pai. Entre o Filho e o Pai há uma profunda comunhão de amor. É assim que Jesus ensina os discípulos mais tarde a rezar: chamando a Deus de Pai, como Ele fazia. Abba, em sua língua, é papai, papaizinho. Era o modo de a criança chamar seu pai, com todo carinho e confiança. É assim que Jesus nos ensina a nos relacionarmos com Deus: com temor filial.

Jesus é pobre, manso e humilde de coração. A sua maneira de viver é um fardo leve. O jugo lembra o governo de um soberano. Jesus é um soberano diferente, seu jugo é suave. Nenhuma pessoa na história tem esta autoridade de dizer palavras de tamanho consolo. Somente Deus é nossa consolação segura.

Na Carta aos Romanos, o apóstolo Paulo diz que somos “amados de Deus e chamados santos”. Esse amor “foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado”, e nada “será capaz de nos separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor. Portanto, não devemos nada a ninguém, “a não ser o amor... pois quem ama o próximo, cumpre plenamente a Lei” (Rm 1,7; 5,5; 8,39; 13,8).

“Todos pecaram”, diz Paulo, e “estão destituídos da glória de Deus”. A justificação se dá “gratuitamente pela graça de Deus, por meio da redenção em Cristo Jesus” (Rm 3,23-24). Deus nos salva em Jesus: Ele foi condenado por nossos pecados e ressuscitou para nossa justificação. A ressurreição de Cristo é a fonte de nossa esperança. Devemos reconhecer o nosso pecado e buscar a conversão. É preciso romper e destruir o corpo do pecado.

No capítulo 8, Paulo faz um teologia do Espírito. Somos chamados a viver segundo o Espírito (Rm 8,9.11-13). Ele intercede por nós. Viver segundo o Espírito é viver o amor, a humildade e a obediência. É viver as armas da luz. É viver do Senhor e para o Senhor.

Como compreender Deus e se deixar guiar pelo Espírito? Somente um coração humilde é capaz deste ato. Não há outro caminho: esta é a lição de Jesus. O Senhor vem “montado num jumento”, nos diz o profeta Zacarias (Zc 9,9), pois é humilde.

Dom Paulo Roberto Beloto,Bispo Diocesano.