3º Domingo da Páscoa

A ressurreição de Jesus Cristo é a confirmação da sua pessoa, da sua divindade e da sua missão. Deus o ressuscitou dos mortos “libertando-o das angústias da morte, porque não era possível que ela o dominasse” e “lhe deu a glória” (At 2,24; 1 Pd 1,21). A ressurreição é o fundamento da fé, esperança e caridade (1 Cor 15,14-17; 1 Pd 1,21).

Não se pode provar pela ciência a ressurreição de Jesus. Acolhemos o que vem da Tradição: túmulo vazio e as aparições. Os fatos são narrados nos evangelhos e nos escritos dos apóstolos inúmeras vezes. São testemunhos (At 2,32) de experiências exteriores que curaram as feridas, as dúvidas, a decepção e o medo provocados por sua morte. Com o tempo, a presença física do Senhor glorioso já não era mais necessária: bastava a fé e a presença no coração, que nunca se esgota.

O tempo pascal que estamos celebrando nos educa para a presença interior de Jesus, confirmando a certeza de que Ele é o Filho de Deus, nosso Senhor e Salvador, caminho, verdade e vida (Rm 10,9; Jo 14,6).

No 3º Domingo da Páscoa lemos, meditamos e rezamos uma das aparições de Jesus, no Evangelho de Lucas, narrada de modo catequético pelo evangelista (Lc 24,13-35). Que lições podemos tirar?

Jesus nos ensina a ler os fatos da vida à luz de sua ressurreição. A realidade é lugar de revelações, e é ali que Deus nos fala. O caminho de Emaús é de desolações: os discípulos estão desanimados como quem perdeu o sentido da vida. Jesus caminha com eles, escuta-os, preocupa-se com a situação existencial dos mesmos. A difícil experiência de dor e sofrimento impede o reconhecimento do Amigo. Não haviam compreendido o mistério da cruz. Mas a presença do Senhor e a sua fala fazem arder os corações. Jesus faz com eles uma leitura dos fatos

Depois, Jesus ilumina a realidade com passagens das Escrituras que falavam a respeito dele. A Bíblia, carta de amor que Deus nos deixou, ajuda a ler e a entender os fatos. A sua revelação aconteceu aos nossos primeiros pais, no Antigo Testamento. Tornou-se plena em Jesus Cristo. A Palavra aponta um caminho, é a fonte onde buscamos a vontade e a verdade de Deus.

Por fim, Jesus se manifesta na comunidade reunida, em torno da refeição. Na casa de Emaús, Ele oferece o pão. Os olhos se abrem e os discípulos reconhecem a presença do Senhor ressuscitado. A cena é uma alusão à Eucaristia, bem supremo espiritual da Igreja porque contém o próprio Cristo, nossa Páscoa e Pão vivo, que com sua carne dá vida ao mundo. O que importa é caminhar como irmãos, viver em comunidade e partilhar o pão.

Viver a Páscoa é deixar-se guiar pelo Espírito Santo de Deus, por sua graça, numa vida nova (Rm 6,4), que se revela, fala, instrui e ilumina a nossa existência: na Vida, na Palavra e na partilha do Pão.

 Dom Paulo Roberto Beloto, Bispo Diocesano.